quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Guia para Jornalistas sobre Gênero, Raça e Etnia

O Guia para jornalistas sobre gênero, raça e etnia pertence à agenda de trabalho articulada entre a FENAJ – Federação Nacional dos Jornalistas e a ONU Mulheres – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres a partir do Memorando de Entendimento assinado em agosto de 2010. A primeira atividade é a criação de um curso para a formação de jornalistas e estudantes de Jornalismo na temática de gênero, raça e etnia nos estados de Alagoas, Amazonas, Ceará, Pará, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.
A publicação é uma ferramenta do plano pedagógico do curso de formação de jornalistas na temática de gênero, raça e etnia. Tem o propósito de auxiliar jornalistas (que desempenham as funções de produção, reportagem, redação, edição e direção de redação) e estudantes de Jornalismo na tarefa de cobrir os temas com recorte de gênero, raça e etnia no dia a dia da imprensa.
A reprodução do guia é autorizada, desde que seja mencionada a fonte.
Faça aqui o download do Guia para jornalistas sobre gênero, raça e etnia.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

A origem do acrônimo FLIPAUT

A origem do acrônimo FLIPAUT é curiosa, por isso vale a pena ser contada. Bom, sobre FLIP pouco temos a dizer. Depois do FLA e do FLU, o Brasil teve o FLIP: Festival LIterário de Parati. Ai veio o Off-FLIP, um circuito paralelo de atividades. Tudo isso no RJ. Em 2009 no RN nasceu o FLIPA, Festival LIterário da PipA, acrônimo depois aperfeiçoado para FLIPIPA.
Quando em fevereiro de 2010 começaram as primeiras articulações de um festival literário alternativo em Pipa, surgiu logo tambèm a necessidade de batizar o evento. Durante a primeira reunião com Civone Medeiros, conviemos que seria muita falta de originalidade partir para um Off-FLIPA ou Off-FLIPIPA que fosse, e ficamos de pensar bem no assunto.
Passados alguns dias, enquanto estava aproveitando dos benefícios da talassoterapia numa das piscinas naturais da Praia da Pipa, recebi a iluminação criativa e assim originou-se o termo FLIPAUT.
Primeiro pensei fortemente em "Alternativo", como o ECA13, Espaço Cultural Alternativo de Pipa, e todos os movimentos culturais alternativos que existem no Planeta. Pensei em OUT, termo inglês cheio de significados, que se pronuncia "aut" e de repente tive um flashback que me levou aos anos de estudo juvenil do Latim! Nessa antiga língua, mãe de muitos idiomas modernos, Aut é a alternativa, a opção e quando você não pode mais demorar em decidir e forçadamente deve fazer uma escolha, você está na frente de um Aut-Aut, um ultimatum.
Pronto!
O processo criativo foi silencioso e quando afinal pronunciei FLIPAUT logo gostei! Acho que no mesmo dia escrevi pra Civone propondo-lhe o acrônimo/slogan do Festival Literário Alternativo de Pipa e ela prontamente me respondeu que tinha gostado também.
Ai depois ela veio com a brincadeira de procurar termos que começassem por AUT e se encaixassem no contesto e ficamos achando um bocadinho!
AUTarquico, AUTentico, AUTobiografico, AUTóctone, AUTodidata, AUTogestido, AUTônomo, AUToral, AUTuante, etc...